Danças de Shiva

TANDAVA – Danças de Shiva

Danças energéticas provenientes do tantra. O tan é um importante centro de equilíbrio psico-físico localizado debaixo do umbigo, também conhecido como “Hara”.
A diferença com relação a outras danças da Índia é que o Tandava, conhecido como “as danças de Shiva” não segue uma coreografia pré determinada nem pretende relatar histórias ou eventos do passado.

O Tandava é uma dança energética espontânea e meditativa, utilizando técnicas de respiração e mudras do Yoga e do Tantra para canalizar melhor a força, o equilíbrio e a criatividade, é uma dança singela que expressa a beleza particular de cada pessoa.

O seu objectivo principal não é a interpretação ou dramatização, mas a re-conexão e manifestação com a nossa energia básica (o TAN: coração energético do corpo situado quatro dedos abaixo do umbigo, também conhecido como Hara).

“De acordo com os tratados medievais como o Abhinaya Darpana, o Sangitaratnakara e outros, a dança está dividida em três categorias distintas. Por um lado a chamada natya que é a que corresponde ao drama; depois nritya, que da nome a gesticulação quando o actor canta; e por último, nritta que corresponde a dança pura onde os movimentos do corpo não expressam nada nem têm significado algum. Outro tipo de distinção é o correspondente a energia dos movimentos (lasya ou tandava).”

“…na tradição hindu a energia na dança se divide em dois tipos antagónicos que por sua vez são complementares e muito bem definidos: por um lado os movimentos delicados -Lasya- e por outro os movimentos vigorosos -Tandava-. Esta diferenciação foi dada pela interpretação de um antigo mito referente a uma das manifestações do deus Siva: a Ardhanarishvara, “o senhor que é metade mulher”, figura andrógina composta por uma metade masculina e outra feminina e que representa o deus e a sua energia feminina ou sua esposa Parvati-así. Segundo o mito: “a primeira dança criada por Shiva Ardhanarishvara foi tosca e salvagem (tandava) e a criada por sua metade Parvati, que imitava esses movimentos, era delicada e gentil (lasya).”